Horizonte 2020 conta com 15 mil milhões de euros para os primeiros anos

A Comissão Europeia lançou hoje a primeira convocatória de projetos para o Horizonte 2020, o programa de Investigação e Inovação da União Europeia (UE) com duração de 7 anos e com dotação de 80 mil milhões de euros.

Máire Geoghegan-Quinn, comissaria europeia de Investigação, Inovação e Ciência

A prioridade de financiamento do Programa, com mais de 15 mil milhões de euros nos dois primeiros anos, destina-se a impulsionar a economia do conhecimento na Europa e a enfrentar problemas cuja resolução melhore a vida das pessoas.

São 12 os temas prioritários da ação do programa para o período de 2014-2015, entre os quais, a assistência na saúde personalizada, a segurança digital ou as cidades inteligentes.

De acordo com a comissária europeia de Investigação, Inovação e Ciência, “o financiamento do Programa Horizonte 2020 é fundamental para o futuro da investigação e inovação na Europa”, refere. Máire Geoghegan-Quinn diz que “está concebido para produzir resultados e conseguimos reduzir os processos administrativos para que seja mais simples”, incitando à participação de investigadores, universidades, empresas (Pequenas e Médias inclusive) e outros interessados.
Pela primeira vez, a Comissão apontou prioridades para o financiamento dos dois primeiros anos dando assim, ao sector de investigação e empresarial, mais certezas, comparando com o passado, contribuindo para uma orientação concreta da política de investigação da UE.

A maior parte das convocatórias correspondentes ao orçamento de 2014 abrem-se a partir de hoje (12 de Dezembro) à apresentação de ofertas e outras mais se abrirão ao longo do ano.

Três pilares chave para o financiamento

As convocatórias deste orçamento, que, por si só, representam um valor total de 7.800 milhões de euros, repartem-se pelos três pilares fundamentais do Horizonte 2020.

Para os “desafios sociais” serão disponibilizados 2.800 milhões de euros para projetos inovadores.
Cerca de 3 mil milhões de euros serão destinados a cientistas proeminentes e 800 milhões diretos para o financiamento de bolsas Marie Skłodowska-Curie para jovens investigadores.

No que se refere à liderança industrial, 1.800 milhões de euros serão destinados ao apoio de sectores como as TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação), as nanotecnologias, o fabrico avançado, a robótica, as biotecnologias e o espaço.

Na primeira linha dos “desafios sociais” serão disponibilizados 2.800 milhões de euros para projetos inovadores dedicados a temas de saúde; agricultura, economia marítima e bioeconomia, energia; transportes; clima, meio ambiente, uso eficiente de recursos e matérias primas; sociedades de reflexão; segurança.

Horizonte 2020

Ainda que a maior parte do financiamento que a UE destina à investigação se faça por convocatórias competitivas, o orçamento do Horizonte 2020 inclui também recursos para o Centro Comum de Investigação – que é o serviço científico interno da Comissão Europeia -, para o Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia e para as atividades de investigação que se levem a cabo no âmbito do Tratado de Euratom.

Também serão publicadas convocatórias separadas orientadas para associações específicas como a indústria e com os Estados membros.

As convocatórias de 2014-2015 incluem uma verba de 500 milhões de euros durante dois anos para pequenas e médias empresas inovadoras.

Outro aspecto importante dizem respeito ás novas regras que fazem com que “o acesso aberto” seja um dos principais requisitos do Programa Horizonte 2020. Ou seja, todas as publicações dos resultados dos projetos deverão ser acessíveis de forma livre pelos cidadãos.
Cada país, deverá organizar formas dessa informação ser disponibilizada de acordo com este pressuposto.

Mais informação:
Novo Programa de Investigação e Inovação da UE – MEMO-13-1085
Sitio web de Horizonte 2020

Vitor Pereira