Lisboa, Porto, Bragança e Oeiras no Top 4 das Smart Cities Portuguesas

 

Balsamão

Um estudo recentemente desenvolvido pela IDC – Analyze The Future, coloca Bragança, Lisboa, Porto e Oeiras no Top 4 das cidades inteligentes em Portugal.

Este estudo, apresentado em Lisboa no evento das Cidades Analíticas, organizado pelo Ministério do Ambiente e Ordenamento do Território e Energia, foi desenvolvido com o intuito de criar um instrumento independe de avaliação, criar pontos de referência e apontar as boas práticas em áreas como energia, meio ambiente, governo, mobilidade, edifícios e serviços e comunicação.

 

Em análise estiveram 3 indicadores apontados como forças motrizes:

Pessoas: Idade média dos cidadãos; crescimento da população (2001-2011); população sem nível de escolaridade; população com o ensino superior.

Economia: Poder de compra per capita; crescimento do poder de compra per capita (2009-2011); VAB per capita; crescimento do VAB (2009-2012); taxa de desemprego; crescimento do emprego.

TIC: Alunos por computador no ensino básico e secundário; entrega de declarações fiscais online; despesa TIC por habitante.

 

Captura de ecrã 2015-05-7, às 15.20.17Foram ainda considerados 5 vetores de inteligência:

Smart Government : Acesso online à despesa da autarquia; política de Open Data e número de data sets disponibilizados; nível de integração do processo administrativo e partilha de ddbkffi dados em back-office; planeamento urbano digital; existência de orçamento participativo online; disponibilidade e qualidade dos portais de relacionamento com cidadão; nível de contacto online com a administração municipal; pedidos de certidões online.

Smart Buildings: Objetivos quantificados de sustentabilidade; política de eficiência energética destinada a novos edifícios; edifícios com certificados de eficiência energética A e A+; edifícios com sistemas de monitorização energética e controlo automático de iluminação.

Smart Mobility : Incentivos para veículos de emissões reduzidas; iniciativas de carpooling/carsharing; semáforos inteligentes; portais para informação de trânsito; sistemas de informação aos passageiros sobre transportes públicos; sistemas de monitorização de tráfego e de congestionamento; Política de teletrabalho.

Smart Services & Living: Penetração da videovigilância em locais públicos; sensores e sistema de controlo para prevenção de fogos; sistemas preditivos e sensores para controlo de cheias; acesso digital aos documentos de planeamento urbanístico; pontos de acesso Wifi em espaços públicos; qualidade dos portais e aplicações digitais para turistas.

Smart Energy & Environment: Estratégia de sustentabilidade ambiental e adesão à Iniciativa Covenant of Mayors Europe; estações de tratamento de águas residuais; recolha seletiva de resíduos; despesa em ambiente per capita; postos de carregamento de veículos eléctricos; transportes públicos verdes; veículos elétricos na frota de veículos do município; automatização da iluminação pública sistemas de controlo; sistema de monitorização de emissões.

A análise de todos os vectores apontados foi efetuada com base em estatísticas públicas (INE, Pordata, IDC, DGAL), através da realização de entrevistas a 50 municípios e análise dos websites de cada cidade.

 

DESCARREGAR O ESTUDO COMPLETO 

Esta publicação também está disponível em: Inglês, Espanhol

About Vitor Pereira
Vitor Pereira

View all Posts

After 20 years of Journalism and Media Professional, I'm dedicated since 2008 to new projects related with Innovation and Technology. Consultant of many municipalities to the Smart Cities theme and Tourism sector based on the newest technologies and communication tools.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*